Blog

PORCELANATO NÃO É PEDRA 06 fev. * Sem categoria

PORCELANATO NÃO É PEDRA

Por mais que a tecnologia permita uma incrível semelhança entre os materiais sintéticos e os naturais, uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. E isso é importante ficar muito claro. Isso acontece com os porcelanatos, objeto principal deste post, mas o conceito também pode ser aplicado a outros produtos, como os MDFs que podem substituir as madeiras.

Quando surgiram opções de materiais para substituir seus originais naturais, eles eram muito grosseiros e toscos. Apareceram como uma opção mais barata, mas sem nenhum requinte. Os primeiros laminados melaminicos, também conhecidos como formicas, que imitavam madeira eram muito feios e comprometiam o produto, dando uma conotação de inferioridade. Mas com o tempo e com a ajuda da tecnologia, essa realidade foi se transformando e surgiram materiais tão parecidos com os naturais que conseguem enganar até quem tem mais contato com esse assunto.

O mesmo acontece com os porcelanatos, que foram, com o tempo, desenvolvendo incontáveis padronagens para atender às mais diferentes demandas de mercado, inclusive uma opção para substituir as pedras.

Existem vantagens e desvantagens desses produtos que imitam algum elemento da natureza, principalmente no custo e na manutenção, que são dois fatores mais diretamente percebidos pelos consumidores. No entanto, se aprofundarmos no assunto, vamos nos deparar com questões ambientais seríssimas em função da exploração irregular de madeiras e pedras, causadoras de impactos negativos indiscutíveis.

Mas voltando ao nosso tema, porcelanato não é pedra e pedra não é porcelanato. Obviamente, um produto natural, quando processado adequadamente tem muito mais requinte e sofisticação, mas, além de normalmente custar muito caro, requer uma atenção grande em relação à sua manutenção. Comparando pedras, mármores e granitos, por exemplo, com seus similares porcelanatos, a manutenção dos originais é bem mais complicada e cara. E os porcelanatos estão cada vez mais parecidos com materiais naturais, inclusive com texturas e relevos. Porcelanatos desenvolvidos para área externas são praticamente idênticos às pedras, no entanto, serão sempre porcelanatos e precisam ser mantidos e limpos de acordo com a instrução do fabricante. Na sua limpeza, não podem ser utilizados ácidos que normalmente são aplicados em pedras naturais, pois eles serão irreversivelmente danificados.

A vantagem observada em materiais naturais não existe nos produzidos artificialmente, por exemplo, um piso de madeira antigo, mesmo aparentemente danificado, por ficar como novo depois de raspado. Um piso de mármore pode voltar a ter o brilho de novo depois de polido.

Na hora de escolher qual material utilizar na sua obra, leve em consideração todos esses aspectos e conte com a ajuda e opinião de um especialista para ter a solução mais adequada para o seu caso especifico.

Fique por dentro das novidades assinando a newsletter da Conseil Arquitetura http://www.conseilarquitetura.com.br/contato


Desenvolvido por Unius